Associação Brasileira de Brangus
Login:   Senha:  
  história
  diretoria
  sócios
  técnicos
  interatividade
  transparência
  fale conosco
  comunicados
  rank
  catálogo
  genealogia
  trocar a senha
  denúncias
             reclamações
  artigos técnicos
  Revista Brangus
  clima
  eventos
  notícias Brangus
  notícias RSS
  download
  fotos
  vídeos


Matéria atualizada 20/10/2017

Rebanho bovino mundial volta a superar 1 bilhão de animais

Em crescimento há três anos, o rebanho bovino mundial deverá superar 1 bilhão de cabeças em 2018, um patamar já atingido em 2014.

O Brasil tem grande importância na composição desse número de animais, mas os principais crescimentos do rebanho mundial vêm ocorrendo nos Estados Unidos, na Argentina e na Austrália.

Os americanos começam a recuperar o espaço perdido. Viram o seu rebanho, que chegou a superar 100 milhões de cabeças, recuar há quatro anos para 87 milhões. Deve voltar para 94 milhões no próximo ano.

Os argentinos, devido a uma política equivocada do governo na última década, também conviveram com uma queda acentuada do rebanho, que recuou para patamares inferiores a 50 milhões de cabeças. No próximo ano, voltará para 54 milhões.

Já os australianos, cujos pastos foram castigados por intensa seca nos últimos anos, voltam a ter 25,5 milhões de animais.

Os dados são do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), que estima o rebanho brasileiro em 232 milhões de animais e o indiano em 305 milhões. No caso da Índia, estão incluídos os búfalos.

O rebanho mundial cresce em um bom momento para o mercado internacional de carne, principalmente devido à intensa demanda por parte dos países asiáticos.

Os chineses, com renda média maior, vão consumir um volume recorde de 8,1 milhões de toneladas de carne bovina no próximo ano.

Nos últimos cinco anos, a produção chinesa de carne bovina cresceu 7%, enquanto o consumo teve evolução de 20%. O país é um dos principais importadores mundiais, adquirindo 1 milhão de toneladas por ano.

O Brasil, devido a problemas na produção de outros competidores ganhou boa parte desse mercado. Exporta quase um terço do que a China importa.

A demanda mundial por carne bovina abre novos horizontes para o Brasil nos próximos anos. A concorrência, no entanto, aumentará devido à recomposição de produção em outros competidores.

O USDA estima que a produção mundial de carne bovina atinja 63 milhões de toneladas em 2018. Em 2015, estava em 59,6 milhões.

O Brasil e a Índia são os maiores exportadores mundiais de carne bovina, colocando 1,8 milhão de toneladas cada um no mercado externo. Já os americanos são os principais importadores, comprando 1,4 milhão de toneladas por ano.

Fonte: Folha de São Paulo, resumida e adaptada pela Equipe BeefPoint.


Mais Notícias
ABS contrata touro Red Brangus Bi-Grande Campeão da Expointer
Gango foi criado na Estância São Rafael, no Rio Grande do Sul, e destaca-se pela combinação de cobertura de carne e agilidade
Comercialização de reprodutores na receita da propriedade
Investimento em genética eficiente e melhoradora é fator determinante para a viabilidade da produção de touros
Raça Brangus expande no mercado nacional
Grande parte busca utilização para inseminação artificial devido às características
Faltam insumos para exame de tuberculose em bovinos
Mapa faculta a exigência do teste para trânsito e eventos até que situação seja normalizada
 
 
Redes Sociais :
Rua Piratininga, 908 Jardim dos Estados
Campo Grande, MS - CEP: 79020-240 - Fone: (67) 3321-1316
developed by